Fase difícil: Kiko Pissolato conta

que enfrentou câncer

Kiko Pissolato, o motorista Maciel da novela Amor à Vida começou 'comendo quieto' na trama e nas últimas semanas ganhou espaço e se tornou o marido da patroa, Pilar (Susana Vieira).

 

 

 

 

Sentindo o gostinho do sucesso, o ator não teve uma trajetória fácil para chegar até onde está. Ao site oficial da novela, ele contou um pouco sobre sua história de vida. Kiko enfrentou um câncer nos testículos apenas um mês antes de subir ao altar com a esposa Bruna.

Percebi que tinha algo estranho. Foi um câncer no testículo. Logo alertei o médico. É como o autoexame que as mulheres precisam fazer quanto ao câncer de mama. É legal você conhecer o seu corpo. Saber se está tudo legal... Bruna (Anauate, esposa do ator) estava comigo e eu falei para ela: ‘Tô com um câncer’. Fui correndo ao médico, que constatou que realmente era um câncer depois dos exames. Tomei um baque. Faltava um mês para que eu e a Bruna nos casássemos", relembrou o artista, que é formado em Educação Física.

Kiko e esposa passaram os momentos

difíceis juntinhos!

Ele contou que a reação ao saber da doença foi curtir a vida: “É um momento em que você para e fala: ‘Tá bom, eu sei que vou morrer. Todo mundo sabe que vai morrer. Mas a certeza de quando e como é o que ninguém sabe’. Aí você começa a reavaliar as coisas na vida, né? Disse que, a partir daquele dia, eu iria fazer só o que eu amava. Dinheiro, por exemplo, passou a ser uma coisa secundária para mim, e o trabalho virou, sobretudo, o que eu mais amava. Tanto que, quatro dias após ter feito a cirurgia, eu já estava no palco fazendo teatro. Todo inchado, cheio de dor, com meus amigos me apoiando muito”, relatou Kiko.

Pissolato disse ainda que, depois de se submeter à cirurgia, entrou de cabeça no teatro, o que o ajudou muito. “Tem um momento que eu nunca mais vou esquecer na vida. Uma sensação única, mesmo. A gente ali, subindo as escadas do teatro para subir ao palco. Eu estava com uma certa dificuldade para subir e vi aquele lugar lotado. Isso me deu um gás que me fez pensar: ‘É isso que eu quero para a minha vida. Posso morrer de fome, sem dinheiro, mas é isso que vou fazer’. É o tipo de experiência que faz você olhar para o céu, refletir sobre a vida, pensar no porquê de você estar por aqui... Enfim, perguntas existenciais, religiosas, filosóficas...”, afirmou o artista, realizado.